– Uma história canina versus a história humana no ambiente de trabalho: um caso de família.

Gosto de cachorros. São fiéis, carinhosos e companheiros. Não distinguem ricos e pobres. Bichos incríveis.

Gosto de gente. Me relacionar com pessoas é necessário para uma sociedade mais humanitária. Mas ao contrário dos cachorros (em especial os “toys”) que só fazem diferença das pessoas que as tratam bem das que lhe tratam mal, alguns humanos distinguem raça, condição social, origem étnica, religião, sexo e, pasmem, até quem zela pela família!

Presenciei e me entristeci ao ver um caso de preconceito de “fraternidade laboral”. Ora, sou Mestre em Administração e sei bem o quanto algumas empresas discriminam parentes no ambiente de trabalho. Mas em decorrência da conduta de patrões e empregados, essa relação pode ir do negativismo ao positivismo extremo! O que mais me pesa é: a rejeição sem argumentos de algo que dá certo, a busca de problemas inexistentes, a tentativa de ilação a dificuldades futuras e o medo inaceitável da boa relação. Pior ainda: de gente que está de fora!

Administradores são gestores de pessoas; políticos; relativistas; e, acima de tudo, humanos com uma pitada de autoridade por conta da função.

Cá entre nós: diante dessas situações, respire – acalme-se – segure-se e… perdoe-os! O desprezo e a demonstração de irrelevância às críticas se faz necessário.

bomba.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s